“A Noviça Rebelde” e “Diário de Anne Frank”

“The hills are alive with the sound of music…”

“Von Trapp é o nome da família de cantores austríacos, cuja história contada em livro pela matriarca Maria von Trapp, inspirou o filme The Sound of Music, que os tornou imensamente populares em todo o mundo. Maria e o Comandante Naval Georg Von Trapp casaram-se em 1927, depois dela ser convidada pelo capitão para deixar o convento onde estudava teologia e era uma noviça, para ser sua governanta. Georg tinha sete filhos, do casamento ao qual havia ficado viúvo. Em 1935, Georg perde sua fortuna com a falência do banco austríaco onde estava depositada e a família, para sobreviver, começa a cantar profissionalmente. Após se apresentarem num festival de música, o sucesso fez com que começassem a cantar em turnês pelo país. Em seguida à anexação da Áustria pela Alemanha nazista em 1938, o anti-nazista George fugiu com a família pelos Alpes para a Itália e de lá para os Estados Unidos, enquanto a mansão onde moravam em Salzburgo se tornava o quartel-general da SS de Heinrich Himmler. Chamando a si mesmos de Cantores da Família Trapp, agora com dez crianças em vez de sete, três deles filhos de Maria e Georg, os von Trapp passaram a guerra se apresentando em concertos por todos os EUA e depois pelo mundo.”  – Wikipedia

Pois é…os Von Trapp me encantaram. Esses dias eu estava querendo ver um filme…arrumei toda minha bolsa de filmes, mas claro, não queria ver nenhum daqueles.

Aí eu vi o post da minha amiga Ro que falava da “Noviça Rebelde”: http://rohdover.wordpress.com/2011/08/07/a-novica-rebelde/

E então vi a musiquinha que já tinha ouvido antes e nem sequer tinha noção que era desse filme e resolvi alugar…

O filme é um musical lindo! Mostra a vida de Maria, uma noviça rebelde, de espírito livre que ama a natureza e que não consegue suportar as ordens do convento.  Sendo assim, sua madre superiora a manda para a casa dos Von Trapp cuidar de 7 sete crianças. Com o tempo, Maria consegue unir toda a família e traz música ao lar dos Vonn Trapp de volta….

Mas chega o nazismo e como sempre detona tudo…

“Engraçado” que depois eu resolvi ver outro filme, aí coloquei o DVD que ganhei do Diário de Anne Frank. Ele é em forma de seriado e também fala do nazismo. Ô praga esse nazismo!

“Annelisse Maria Frank, mais conhecida como Anne Frank (Frankfurt am Main, 12 de Junho de 1929 — Bergen-Belsen, 31 de Março de 1945), foi uma adolescente alemã de origem judaica, vítima do holocausto, que morreu aos quinze anos de idade num campo de concentração. Ela se tornou mundialmente famosa com a publicação póstuma de seu diário, no qual escrevia as experiências do período em que sua família se escondeu da perseguição aos judeus dos Países Baixos. O conjunto de relatos, que recebeu o nome de Diário de Anne Frank, foi publicado pela primeira vez em 1947 e é considerado um dos livros mais importantes do século XX.” – Wikipedia

Mas valeu muito a pena esses dois filmes. Um pelo musical, com letras de música que te envolvem e que mostra que, às vezes, a musica é um colírio pros males da vida. E o outro pelas narrativas otimistas de Anne. Mesmo vivendo uma guerra, Anne e pessoas à sua volta tentavam viver uma vida normal confinados num pequeno sótão…

^-^ muito lindos os filmes!

“Escrever um diário será uma experiência muito estranha para alguém como eu. Não apenas por eu nunca ter escrito nada antes, mas porque me parece que, depois, ninguém, se interessará pela tagarelice de uma colegial de 13 anos.

É que ninguém acreditaria que sou sozinha no mundo. Eu tenho pais carinhosos e uma irmã de 16 anos e há umas 30 pessoas que posso chamar de amigos. Tenho um monte de admiradores que não tiram os olhos de mim. Não, na aparência pareço ter tudo exceto um amigo de verdade.

Espero poder contar tudo para você e que você seja uma grande fonte de conforto e apoio.”

“Se a tristeza
Se a saudade
De repente vêm
Eu lembro das coisas que eu amo e então
De novo eu me sinto bem!

Gota de chuva, bigode de gato
Laço de fita, cordão de sapato
Flor na janela e botão no capim
Coisas que eu amo e são tudo pra mim

Língua de trapo e bochecha vermelha
Lua passando na fresta da telha
Brisa soprando e penteando o jardim
Coisas que eu amo e são tudo pra mim

Bola de gude, nariz de cachorro
Uma igrejinha no alto do morro
Carta contando tin-tin por tin-tin
Coisas que eu amo e são tudo pra mim”

 

Anúncios

Fim de semana daqueles…

Ahhh o fim de semana! Sossego, descanso, filmes, comidinhas…certo?

NÃO! QUero dizer…tava tudo dando certo, mas aí meu pc começou a pifar e eu tive que levá-lo para arrumar, mas eu não tinha gravado Pânico 2 e Vampire Diaries 2X18 ainda pra eu ver com a Rose no DVD. Ah tudo bem eu gravo no outro pc. o Outro PC tá maluco e desinstalaram tudo nele…

Bom aí fiz Brownie e pensei “gravo no pc da Rose”…ok. Sexta feira pego moto taxi e vou até a casa da Rô. Chegando lá fomos até ao mercado comprar ingredientes para fazer Torta de Tomate e Arroz a Grega.

CHegamos do mercado e a sobrinha + irmã e pai da ROse estavam lá. Tentamos mexer no “Processador” de legumes da Rose, mas tava pifado, picotamos os ingredientes de outra forma e quase explodimos a cozinha. Eu fazendo tudo com o dedo indicador esquerdo pra cima porque um copo assassino o cortou enquanto eu lavava louça em casa.

Tava tudo tão lindo! A torta ficou uma delícia e muito bonita também.

Aí fomos gravar o DVD e NADA….passadas 3, quase 4 horas NADA…

Vimos Pânico 1 e Vampire Diaries 2X17 e nada do nosso DVD gravar…fomos dormir pra mais de 3 da matina e deixamos gravando num novo programa. ACORDAMOS ANSIOSISSIMAAAS e tchans! O Dvd parecia ter dado certo…

MAS NÃO…o vampire Diaries era o 1X18 e não o 2, e Pânico tava bugadérrimo!

Almoçamos e pensamos em baixar um novo filme, mas a internet da Rô já não existia mais. O moço que foi instalar o fax pra ela sumiu com o speedy.

Aí resolvemos ir alugar o filme. O pai da Rose falou que teríamos que andar com o faísca (ex carro dela) e lá fomos nós.

DE REPENTE LUZES NO PAINEL ACENDEM!!!! Paramos no posto e algo no motor BORBULHAVA! Ok,resolvido o problema seguimos pra locadora de vídeos…MÃNSSS o problema estava só começando….o carro pifou no meio da rua ahahahha

Vejam:

Pois é….o cunhando da Rô veio nos socorrer depois e a Rô tava arrasada coitada. Acho que o anjo dela tinha tirado férias aquele fim de semana.

Ro desolada-"ahhh o motor ventoinha sei lá...tsc"

VOltamos pra casa sem filme…mas não desistimos.Tomamos um banho e jantamos um delicioso macarrão com molho branco.

No fim conseguimos ver Vampire Diaries e Pânico 2 e 3. Dormimos como anjos e voltamos a sorrir no domingo ^-^

Foi tenso e bom ao mesmo tempo =)

Psit! Vocês podem conferir outra versão dessa história aqui ó:

Maré de Azar, Todo Mundo Tem Um

Maratona Oscar 2011

O Vencedor

Graças ao nosso querido horário de verão ganhamos uma hora no sábado! EEEE! Aí deu tempo de ver mais um filminho. Dessa vez foi “O vencedor”.

Confesso que estou até agora sem saber se o cara ganhou a luta ou não porque tive que ir buscar minha mãe na festa. Aí falei pra minha amiga ver o final e me contar. Até HOJE ela não viu o fim, mas tudo bem…

O filme é baseado em fatos reais e conta a história de dois irmãos. Dicky (Christian Bale) é ex-lutador que pôs a carreira a perder ao se envolver com crack, e seu irmão mais novo, Micky (Mark Wahlberg), um futuro talento.

Christian Bale está irreconhecível cara! Agora que me toquei que ele foi o Batman! Ele emagreceu pra caramba e tá muito bem no filme! Merece o Oscar por melhor ator coadjuvante.

Pensei que o filme fosse mais um “Menina de Ouro” e que eu não fosse gostar já que ele começa com umas imagens bizarras, antigas, como se o filme se passasse exatamente no ano que aconteceu de verdade. Mas ficou legal isso. As transmissões das lutas pela HBO ficaram perfeitas, a fotografia ajudou bastante. Teve umas partes meio “a La” Rocky, mas ficou legal também.

Amy Adams faz o papel da namorada de Micky, Charlene, que ajuda Micky a perceber que se ele quiser subir na vida terá que abrir a boca e falar com seus familiares, porque Micky aceita tudo numa boa. Ela está bem má nessa personagem e também demonstra uns socos no filme…ehehehe.

É um filme que mostra a vida de um lutador e que antes de vencer seus oponentes, tem que vencer os seus medos contra os próprios sentimentos e enfrentar a família. Vendo o resumo assim você não dá muito pelo filme, mas é legalzinho sim.

 

Maratona Oscar 2011

Minhas Mães e Meu Pai

“Minhas mãe e meu pai” foi o segundo filme da Maratona Oscar de sábado. Foi um filme diferente dos que já vi. Primeiro você pensa que é uma comédia, de certa forma tem partes engraçadas, depois você acha que é sobre relacionamento homossexual, e depois você conclui que nada mais é que um filme sobre uma família normal enfrentando problemas que toda família tem.

O casal homossexual Nic (Annette Bening) e Jules (Julianne Moore) encontra o doador de esperma (Mark Ruffalo) que doou esperma 18 anos atrás para seus dois filhos.  Tudo isso por causa de Laser(Josh Hutcherson), filho de Jules, e Joni (Mia Wasikowska, lembram da Alice no país das maravilhas?), filha de Nic. Os dois vão atrás do doador.

Aí você se pega torcendo pra que o casal gay se separe e uma delas fique com o “pai biológico” dos adolescentes, mas não! Você vê que nada a ver… Que uma família gay tem problemas assim como uma família composta por um pai e uma mãe, ou seja, a sociedade não reconhece isso.

E o final é fofo demais e deixa uma função cidadã, anti-preconceituosa e social pra todos nós!

Não vejo como uma apologia aos homossexuais sabe, “ai você tem que ser gay sim e ter um filho e blábláblá”, que horror isso! Não! Eu acho que as pessoas têm que viver. E é isso que mostra o filme. Os gays vivem, choram, dão risada e sofrem como qualquer um. Simples!

Um filme diferente, memorável e que deu muito o que falar por aí. Merece alguma premiação sim e merece ser visto!

 

Maratona Oscar 2011

Inverno da Alma

Tá…eu me recuso a ficar falando muito sobre “inverno da alma”. Orçamento pequeno, história simples, atores X, ritmo desaceleradíssimo…

O filme é independente e ganhou muitos prêmios de cinema independente (Independent Spirit Awards) e agora está sendo indicado ao Oscar não sei como. Como diz minha amiga Ro: “Os caras do Oscar não estão batendo muito bem”. E não estão mesmo.

A fotografia é escura e mostra o lado sombrio dos arredores de Missouri-USA e ajuda manter a tensão do filme. Com um toque de Thriller (suspense) o filme mostra a luta da adolescente Ree Dolly que luta pra sobreviver e cuidar de seus irmãos, e que corre atrás do pai que não cumpre com sua obrigação judicial.

Cocei não prestando muita atenção no filme e teve uma hora que tava boiando, não entendia quase nada, depois passei a entender e depois passei a me entediar.

E aí vai, vai,vai e zzzzzzzzzzz…não flui. A menina procura o pai, mexe com quem não deve, se ferra e no fim aprende a lição. O fim do filme dá ma impressão de que ah…sempre vem a primavera depois do inverno.

Pff…

A única coisa boa do filme foi os atores “novos” , o investimento em atores novos.

Não recomendo meeeesmo!

Só recomendo se você tiver digestão boa, caso contrário você terá 100 minutos de drama, tédio e introspecções…

zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz

Maratona Oscar 2011

127 horas

Tá. Esse filme aqui é baseado em uma história real. Ver um filme desse gênero já mexe antecipadamente com você. E quando você vê cenas fortes você pensa: AH MEU DEUS AH MEU DEUS AH MEU DEEEEEEEEUS!!! Imaginar que aquilo que você está vendo na sua frente foi real desperta vários sentimentos em você, seja de dor, de cansaço, de medo etc.

O aventureiro Aron Ralston (James Franco de homem aranha) resolve ir dar um passeio na natureza cheia de Canyons e calor senegalesco. Ele não avisa nenhum amigo e nem pai, nem mãe que vai sair (“Apenas eu a noite e a música. Amo isso”). Então o filme se desenrola nas aventuras de Aron com sua bicicleta, suas explorações…

A trilha sonora é legal e sempre te dá energia e uma vontadezinha de estar lá fazendo arte com Aron.

Depois de explorar as grandes rochas do deserto de Utah ele dá um pulo e segura numa pedra que está solta e PLUFT! Cai no meio delas e fica com o antebraço direito preso. Ele tem pouquíssima comida,  quase nada de água e uma câmera…

E aí que tá o mais legal do filme. O trabalho com as gravações que Aron faz na sua câmera.  É uma proposta diferente. A edição é muito original! O filme se desenrola num lugar totalmente claustrofóbico e os roteiristas Danny Boyle e Simon Beaufoy fazem o filme  não cair no mais esperado, não ser chato. Encontrar uma forma de manter a história real mesmo com linguagem de vídeos-clipe e cenas super legais e originais. A fotografia pra mim é a melhor! Não sei se ganha o Oscar, mas é muito boa! A atuação de James Franco também tá muito espetacular! Ele delira, vai, volta, sente dor e compartilha com a gente todos os sentimentos dele. A parte do “monólogo-talk show” é a cena do filme, tem até no trailer.

E quando você achava que já tinha visto de tudo na vida, depois de 127 horas de aflição e desespero você vê o cara cortando o braço com uma canivete sem corte. Ééééé sem cooorteee! Ele amputar seu braço e sai pelo deserto em busca de socorro.

Por isso é um filme que te faz refletir sobre a vida também. Antes de começar o filme você vira pra sua amiga companheira de cinema e fala: “Eu nunca arrancaria meu braço”, mas depois você cala a sua boca e pensa que a superação de Aron serve de exemplo pra passarmos por cima de nossos problemas e sempre lutarmos.

Pois é…vai ser difícil passar por cima do “Discurso do Rei” que tá sendo o queridinho do Oscar.  É um ótimo trabalho, um diferente trabalho e bem que merecia ganhar. Quem sabe no quesito edição…talvez?

 

Maratona Oscar 2011

O Discurso do Rei

O Discurso do Rei foi o ganhador do BAFTA(Oscar Britânico) 2011…por que será hein? Hummmmm….hehehehe. Pois é, O Discurso do Rei é um daqueles que quando você vê o trailer você pensa que vai ser mais um daqueles filmes parados e chatos que você vai dormir, mas não. O filme é de certa forma parado, mas o problema da gagueira do Rei nos prende a história. Nos envolvemos com a terapia do ”fonoaudiólogo Lionel Logue” com George, que é gago desde criança. Lionel ajuda o futuro rei a superar traumas e conseguir ler sem gaguejar.

É um filme clássico. Nada de inovações e muito menos defeitos.  É um filme do estilo épico, iluminação diferente, repleto de planos diferentes, enquadramentos perfeitos. É cheio de detalhes completos e os figurinos são impecáveis. Os atores estão ótimos. Como disse a revista Bravo “Colin Firth (que interpreta George) brilha absoluto e está mais duro do que nunca” hehehe.  Geoffrey Rush também está ótimo.  Ele complementou Colin e deu um ar de comédia no filme. Helena Bonham Carter não teve que fazer muita coisa, mas não está de todo ruim.

O roteiro é bom porque não fica falando das guerras e blábláblá, ele foca no Rei. A direção de arte é legal, a fotografia, o som são bonzinhos também…. Como eu disse, ele é muito bem feito e é parado, talvez por isso peque um pouco. Não é um filme ruim. Nos envolvemos com o Rei, mas quando o filme acaba não saímos tão impressionados como quando vimos um “A origem” , um “127 horas” ou um “Cisne Negro”, por isso não sei se é um filme que mereça ganhar o Oscar, mas acho que vai ganhar…